São Paulo 11 3056-1800
Rio de Janeiro 21 2267-9795
Brasília 61 3327-1404

Flip 2013 com Graciliano e Aerons

Flip 2013

Reprodução

A Festa Literária Internacional de Paraty deste ano homenageia o escritor Graciliano Ramos.

A edição deste ano vai discutir, além da literatura, a política, tema recorrente nas obras do homenageado de 2013, que inclusive foi prefeito de Palmeira dos Índios (AL) entre 1928 e 1930.

Mais uma vez, a festa será recheada de estrelas que terão o prazer de discutirem e palestrarem confortavelmente acomodados em  Aeron Chairs, cedidas pela Atec ao evento.

E a política está realmente sendo um dos temas principais desta Flip. Assista ao vídeo em que Gilberto Gil compara as manifestações das últimas semanas as festas raves e ao carnaval.

image

Você pode acompanhar a transmissão completa da Flip 2013 por aqui. Aproveite!


Atec Cultural. Palestra de Junho – Arquitetura de interiores corporativa e institucional

atec-junho-blog

QUANDO: 24 de junho, às 19h30
ONDE:
 no espaço Atec Cultural, no showroom da Atec Original Design
ENDEREÇO: 
Av. Brig. Faria Lima, 1.800 – 10º andar
CAPACIDADE: 
60 lugares
INSCRIÇÕES:
 pelo telefone 11 3056-1800
PREÇO: 
a entrada é gratuita

“Arquitetura de interiores corporativa e institucional”. Com o arquiteto Dante Della Manna, que já foi professor da universidade Mackenzie, é responsável pela identidade corporativa da Nespresso, ganhador de diversos prêmios e defensor da arquitetura ambientalmente correta.

O próximo conferencista da Atec Cultural é o arquiteto Dante Della Manna, conhecido por sua intensa atuação em arquitetura de interiores corporativa e institucional.

É de seu escritório o projeto de readequação de espaços do Carandiru, o antigo complexo prisional, transformado em parque. Lá Della Manna foi responsável pelo projeto da biblioteca, reconhecida como espaço de alta qualidade ambiental, convidativa para jovens e crianças.

Della Manna também foi o primeiro escritório credenciado pela empresa suíça CCD, Consult Concept Design, responsável pela lojas Nespresso em todo o mundo, a adaptar os projetos para as cidades brasileiras.

O escritório tem mais de 20 prêmios de arquitetura, entre os quais, alguns concedidos pelo Instituto de Arquitetos do Brasil e pela Associação Paulista de Críticos de Arte.

Formado em arquitetura no Mackenzie, Dante Della Manna foi professor da instituição durante muitos anos e também lecionou como professor convidado na Fundação Getúlio Vargas. Hoje ele se dedica apenas a muitos projetos de arquitetura, alguns deles realizados em parceria com escritórios internacionais.


Design e a Crise – Gui Bonsiepe

Gui Bonsiepe é dos mais conhecidos designers e teóricos do mundo. Ex- aluno e ex-professor da lendária escola de Ulm, fundou no Brasil o Laboratório Brasileiro de Design Industrial (LBDI) e criou o Laboratório Brasileiro de Desenho Industrial, em Florianópolis, Santa Catarina. Bonsiepe também é responsável pela formação e atualização de muitos profissionais e professores brasileiros.

Em 20 de março, Bonsiepe proferiu palestra na Atec Cultural. Nela, abordou a crise atual sob a perspectiva do design, e trouxe várias reflexões para os mais de 120 participantes presentes no evento.

Na oportunidade, o professor fez uma crítica à atual abordagem do design e destacou a importância da recuperação das origens da profissão. Origens essas, que muito diferem da visão puramente artística e comercial que vem sendo difundida nos dias atuais. Segundo Bonsiepe, não se pode esquecer que “o design tem a função imprescindível de integrar ciências e tecnologias na vida cotidiana de uma sociedade, concentrando-se na zona intermediária entre produto e usuário, chamada de ‘interfaces’. Dessa maneira, o Design pode contribuir para – aproximando-se da formulação de Bertolt Brecht sobre a literatura – fazer mais habitável o mundo dos artefatos materiais e simbólicos”.

As reflexões de Bonsiepe não tiveram a intenção de alarmar – nem amenizar – os efeitos da crise mundial dos últimos anos. Mas, sem dúvida, traçam um caminho a seguir. “A crise oferece a oportunidade – e impõe a obrigação – de revisar os valores de referência aceitos até o momento”, afirmou o professor.

Acompanhe abaixo mais algumas reflexões sobre Design e a Crise apresentadas por Gui Bonsiepe .

“Poderia ser tentador seguir as invenções poético-surrealistas do newspeak, da neolíngua cujos adeptos revelam uma criatividade extraordinária para construir uma imagem harmonizante de uma realidade que é tudo menos harmônica”.

“Fica por ver se as promessas do design sustentável podem ir além de ser um paliativo compensatório e contribuir para o surgimento de uma nova relação entre homem e natureza, e um novo regime de valores que não considera a natureza como um recurso a ser explorado, mais sim um domínio a ser cuidado. Além disso, parece-me necessário não limitar o conceito da sustentabilidade aos aspectos biológicos, mais sim ligá-lo ao conceito de sustentabilidade social.”

“A pessoa do designer adquiriu mais importância que o próprio design (…). Antes o papel do designer era comparável ao papel de uma atriz ou de um ator no teatro: posicionar-se ao lado do personagem que representa e não confundir a contingência da pessoa com o papel que está sendo representado no teatro”.

“No momento, o status cognitivo do design está coberto por um véu de dúvidas, pois se desenvolve predominantemente no domínio da visualidade, intimamente entrelaçado com a experiência estética, e menos no domínio da discursividade”.

“(…) o Design não é orientado em primeiro lugar para a criação de novos conhecimentos, mas sim, às práticas da vida cotidiana. (…) não em termos de eficiência física como acontece nas engenharias, mas sim, em termos de comportamento inserido na dinâmica cultural e social.”

“Parte da crise do design está ligada ao fenômeno sociocultural dos anos 1990 quando o conceito “design” experimentou uma explosão na mídia, o que levou a uma perda do rigor do significado original com a consequência de que hoje o termo, na opinião pública, é frequentemente reduzido aos aspectos estético-formais e associado ao efêmero, ao caro, ao pouco prático e até ao supérfluo”.